featuredImage

Desde que o mundo é mundo, os homens estão sempre procurando algo para alimentação, sendo esta sua principal atividade. Os primeiros sinais de desenvolvimento nesta tarefa foram as ferramentas utilizadas para facilitar a caça, a coleta, a preparação do alimento e sua conservação.

A gastronomia, um termo de origem grega, sendo gastro relativo a estômago, nomo relativo às leis, e ia relativo ao substantivo, podendo ser traduzido como “as leis do estômago”, foi onde começou a se pensar na alimentação, não só o ato de comer, mas tudo que envolve esta prática, não considerando só a sobrevivência, e denotando uma evolução na forma como encaramos este ritual.

A  história da gastronomia começa com os primeiros homens. Com o tempo passou a envolver não só a comida em si, mas como é preparada, os ingredientes utilizados, as técnicas de cozinhar, a higiene, assim como, ambiente, a decoração, as bebidas, a música, e a experiência completa gerada por este momento.

Na história geral da gastronomia temos passagens importantes no período Neolítico, nas primeiras civilizações da Mesopotâmia, Antigo Egito, Índia, China e Fenícia, Roma e Grécia Antiga, na idade Média, na Itália, na França e na Segunda Guerra Mundial. Essas grandes mudanças políticas e econômicas, também contribuem para uma nova forma de cozinhar.

 

Referências

De forma geral em toda a história de civilização, o grupo que detinha o poder era o que possuía e controlava os produtos alimentícios, primeiramente a terra para cultivo, depois a criação de animais, e com o passar do tempo a que detinha produtos,  técnicas diferenciadas e bons profissionais a disposição.

As principais referências mundiais na culinária são a França e a Itália por suas técnicas e ingredientes utilizados. Além de terem fixado normas e regras indispensáveis à boa mesa como a qualidade dos ingredientes, o que envolve preterir insumos regionais e frescos; e a técnica, o que evita desperdício e aumenta a conquista de sabor, e a simbologia cerimonial.

O oriente se sobressai com as técnicas de conservação e temperos, muito utilizados na época dos descobrimentos, e que alimentavam grande parte do comércio entre nações, e requintava o paladar dos nobres.

Atualmente, podemos observar um resgate da comida regional e a valorização das tradições locais. Ao mesmo tempo em que vivemos na globalização  onde se tem acesso a insumos e alimentos de todas as partes do mundo. Também há um embate entre os conceitos Fast food, onde a necessidade de uma comida rápida e em quantidade fez cair à qualidade, e Slow Food, onde se pretende resgatar o convívio à mesa, comer e beber devagar, e reencontrar o prazer na alimentação.

 

Atualidades

No Brasil, tivemos um grande desenvolvimento da gastronomia a partir dos anos 2000. A abertura comercial, políticas de diminuição de impostos, crescimento do setor de serviços com investimentos vindos do exterior, contribuíram para esse processo.

Possuímos boas escolas, com referência de mestres internacionais, além da constante troca e compartilhamento entre culturas, com vários países do mundo.

Porém o que mais se tem visto, aquecendo o mercado interno, é o crescimento do interesse das pessoas comuns por esta área, a partir do aumento da procura por profissionalização, e oferta de programas com conteúdos mais abrangentes, pois nas décadas anteriores, só havia cursos de culinária e programas com algumas dicas para a cozinha cotidiana, voltados para donas de casa.

Com o aumento da demanda, houve também investimento em produtos que tornassem a experiência mais completa, como utensílios para cozinha, que alcançam e facilitam resultados profissionais, a busca da beleza, não só na preparação do prato, com suas cores e símbolos na montagem, como louças variadas, copos trabalhados e decoração, além de eletrodomésticos que permitem variadas técnicas, sem grandes tumultos, além de utensílios específicos para cada tipo de ocasião.

Atualmente são inúmeros os alimentos e bebidas que se tem acesso, tornando possível dessa forma, proporcionar em sua própria casa uma experiência internacional e refinada para seus amigos. Além disso também estão disponíveis livros, consultorias e outras ferramentas.

 

Hospitalidade

A gastronomia sempre teve a ver com a hospitalidade. Receber alguém e poder oferecer uma refeição adequada, compartilhar momentos com as pessoas queridas no momento das refeições. Promovendo para si e para os outros momentos de acalento.

Logo, as grandes comemorações, rituais religiosos, confraternizações e qualquer motivo que seja para reunir as pessoas queridas, passaram a ser uma oportunidade de compartilhar uma ideia e marcar a vida com bons momentos.

O conceito da gastronomia foi bem recebido pela população, está em evolução, e com o aumento da qualidade, há um aumento no nível de exigência das pessoas. Por isso, o mercado continua aquecido e trazendo cada vez mais inovações para atender as demandas criadas por este movimento.

 

Equipamentos

Com as políticas econômicas adotadas em 1994, a taxa de impostos que incidiam em produtos importados caiu de 60%, para 12%, possibilitando que materiais caros, como o aço inox, se tornassem acessíveis e possíveis de se ter em uma cozinha doméstica.

Atualmente, a lista dos mais desejados objetos de cozinha para os pretendidos chefs e gastrônomos, são:

●      Jogos de pratos, talheres, copos e taças;

●     Decoração como sousplat, guardanapos e vasos;;

●     Panelas especiais e formas, com antiaderência;

●     Utensílios como facas de diversas utilizações e materiais resistentes;

●     Espátulas, batedores e termômetros;

●     Medidores, raladores e pinças, com desempenho otimizador;

●   Máquinas elétricas que facilitam processos, como panificadora, sorveteira, multiprocessadores e moedores;

●  Além de fornos, churrasqueiras e móveis que auxiliam na dinâmica da preparação.

E um capítulo que merece a atenção especial dos brasileiros é o churrasco. É a forma preferida de reunir os amigos e familiares, e serve para qualquer tipo de comemoração. A carne é a atração principal, e tem se encontrado muitas variações de cortes, preparos e temperos. Podendo ser uma simples peça de picanha assada, até hambúrgueres caseiros grelhados, passando pelo churrasco de chão, com animais inteiros  muito comum no sul do país.

 

Conclusão

A gastronomia inegavelmente se tornou uma arte. Arte de bem servir e receber convidados. Apesar da complexidade da cozinha francesa e do requinte exigido pela classe mais abastada, para fazer parte desta tradição é necessário bom gosto, cuidado e respeito pelos alimentos, boa vontade em ofertar o melhor que se pode trazer à mesa e generosidade para compartilhar uma refeição.

E para aqueles que querem colocar em prática seus dotes culinários e agregar valor ao básico da atividade, pode-se adquirir ferramentas e produtos da melhor qualidade, com excelente custo-benefício em lojas variadas e pela internet.

Portanto, não há mais desculpa para não se dedicar a esta arte, que é a mais antiga e a mais prazerosa que se tem notícia. Depois que você começa e os resultados aparecem, vai ficando cada vez melhor. Dê o primeiro passo hoje mesmo.